Era uma vez!

•19/06/2009 • Deixe um comentário
1239043-2188-gaEra uma vez

Melissa nasceu em 1979, quando as sandálias usadas pelos pescadores
da Riviera Francesa se revelaram uma ótima inspiração para criar sapatos
estilosos, que, feitos de plástico, têm o objetivode ser uma alternativa ao comum.
O sucesso, desde então, foi enorme.Meninas e jovens mulheres cresceram tendo a Melissa como parte de suas vidas. De suas campanhas e filmes publicitários, fizeram parte atrizes, modelos e personalidades, como, por exemplo, a modelo Cláudia Schiffer. Há alguns anos, a marca, que redescobriu sua vocação fashion, passou a investir em parcerias com profissionais de várias áreas, como o estilista Alexandre Herchcovitch (um dos brasileiros mais renomados dentro e fora do Brasil), os designers Fernando e Humberto Campana e o badalado stylist inglês Judy Blame, famoso por seus editoriais para a revista ID e pelo visual de famosos como Boy George e Björk. Mais uma vez, Melissa conquistou o público, o que a levou a comemorar seus 25 anos (completados em 2005) com a criação de uma exposição que vai ficar na história da marcae também da moda brasileira: a Plastic.o.rama Made in Brazil, em que 90 profissionais de diversas áreas interpretaram a seu gosto um par original de Melissas, modelo Aranha 1979. A idéia fez tamanho sucesso, que acabou virando livro e também sete modelos usáveis, distribuídos ao público visitante do SPFW em sua 19ª edição. Outro marco na trajetória da marca é a inauguração da Galeria Melissa na rua Oscar Freire, em pleno circuito fashion paulistano, em agosto de 2005. O espaço, de vocação multidisciplinar, é ponto-de-encontro entre o universo da Melissa, coleções criadas por parceiros da marca com total exclusividade, lançamentos de produtos especiais e exposições ligadas a temas como design, fotografia, moda, beleza e tecnologia. Imponente graças à sua fachada supercolorida e constantemente renovada, a Galeria tem o jeito da Melissa: dinâmica, moderna e sempre buscando novidades para assim, em plástico, construir sua história.

 

 Louca por novidades e apaixonada por moda, a Melissa esteve

mergulhada em um universo que combina tecnologia e estilo

desde que nasceu, em 1979. Veja aqui alguns de modelos antigos

 que, iniciaram a trajetória fashion da marca.

 

  1979
 

 1983

 1995

  

 

2003

 

2005

Obras: Carol Teixeira

•18/05/2009 • 3 Comentários

 

 

 

 

O quanto de realidade tem na ficção? E o quanto de ficção tem na realidade? Com “Verdades & Mentiras” a minha idéia foi brincar com esse conceito de realidade e ficção, com o claro objetivo de dar um nó na cabeça do leitor.
Segue aí a orelha escrita pelo Juremir Machado da Silva:

“ Está tudo dito por ela mesma: ‘Eu também não vim ao mundo a passeio’. Carol Teixeira veio ao mundo para se divertir. E para divertir os outros. Isso dá trabalho. Viver exige tempo, dedicação e ousadia. Quem gosta, nunca tira férias da vida. Nem cobra pelas horas extras. Jovem, linda e formada em filosofia, com uma frase de Nietzsche (ou seriam várias?) em alguma parte do corpo, ela é uma aporia. Isso mesmo, uma aporia. Fui claro? Além, obviamente, de ser um monte de outras coisas mais simples filosófica e existencialmente: um paradoxo, uma mulher de bem com a vida, uma pessoa disposta a apostar tudo na intensidade de cada dia, uma escritora talentosa, um axioma e muito mais. Principalmente muito mais. Ah, ia esquecendo, é colorada, convertida ao futebol num ritual acontecido no templo da Bombonera, em Buenos Aires, por ocasião de um confronto (melhor esquecer!) entre Internacional e Boca.

Agitadora cultural, apresentadora de programa de rádio, dona de bar e viajante incansável, Carol já tem um pouco de mito. Verdade ou mentira? Ficção ou realidade? Nada disso. Carol é pós-moderna, quando não é hipermoderna ou pós-tudo, e não acredita nessa dicotomia do “ou…ou”. Com ela, no melhor estilo “quero experimentar de tudo na vida”, impera o “e…e”. Duvidam? Então leiam este “Verdades e mentiras”, livro composto de duas partes antagônicas e complementares, “Verdades (?)”, crônicas, e “Mentiras (?)”, contos. O pontinho de interrogação está aí para confundir mesmo. O negócio é dar um nó na cabeça do leitor sem que ele queira ser desatado. Afinal, o que é a realidade? Onde termina uma e começa outra na vida de alguém determinada a escrever o seu próprio destino? Não será a realidade a maior de todas as ficções?

Certeza, certeza, só uma: Carol Teixeira manda bem no conto e na crônica, o que não é para qualquer um. Consegue aliar leveza, humor, ternura, paixão, ironia e entusiasmo sem demonstrar estar fazendo esforço algum. No conto, narrativa que exige tensão permanente, ela não perde a linha nem a forma, conduzindo o leitor na ponta dos dedos e dos pés ao longo de uma passarela (que pode ser de uma São Paulo Fashion Week ou uma dessas que terminam na frente de uma rodoviária) cheia de surpresas e de reviravoltas. Como dizem os franceses, não sente frio nos olhos e arrasa nas descrições de cenas calientes. Pero, com muita sofisticação. Não seria exagero dizer que ela lembra Zelda Fitzgerald? Só que Zelda era louca. Carol, que eu saiba, é louca pela vida. Enfim, eis a manchete: tem escritora na praça. Verdade ou mentira? É só conferir para ver.”

Fredi Endres e Carol Teixeira: um casal fora do sério!

•12/05/2009 • 4 Comentários

não é a toa que estou á 9 anos na vida de ninjaaa uhehhhhhh Fredi! 😀

OgAAAFo_6BkPs41L0Yr8rLYkL3xeuWr5ZJoYdtS8BGDaM5ER9GFr_beqPX4RqbfsurJZkr31W8bVXrklwUR5MtapsL8Am1T1UI28U8XEwkFC020JtzRuuS2MbrcXCarol Teixeira é sagitariana, nascida em 1979 no Rio de Janeiro, mas se considera gaúcha já que mora em Porto Alegre desde os primeiros meses de vida. É formada em Filosofia pela PUC-RS e é autora dos livros “De Abismos e Vertigens” ( Sulina) e “Verdades & Mentiras” ( L&PM). É editora da Revista do Beco (http://www.beco203.com.br/views/revista.php). Colabora com a Revista Mod, tem uma coluna na Cool Magazine e no site www.queb.com.br.

É leitora e escritora compulsiva e está sempre metida na organização de eventos culturais, como o PapoCabeça (debate pop-filosófico que apresenta desde 2006) e, mais recentemente, o sarau eletro-acústico Porão da Palavra, uma parceria da Revista do Beco com o Jornal Vaia. Também é DJ residente da festa Maximize! que rola mensalmente no Cabaret do Beco.

Mega hiperativa, insone e boêmia, é alucinada por citações, tatuagens significativas, pessoas intensas e arte de todo tipo. Odeia preconceitos, estereótipos e gente medíocre limitada a rótulos noções e palavras. Ama Nietzsche, Freud, Sartre, Milan Kundera, Caio Fernando Abreu, Clarice Lispector, Bertolucci, Alfonso Cuarón, Jimi Hendrix, Jonathan Safran Foer, Amy Winehouse, John Frusciante, Jonathan Meese, Woody Allen, Milo Manara, Steve Aoki e muitas outras coisas

 

 

 

 

 

 

OgAAAPlBw7_17Gk4qKwBGvhdU3kOnqDyAc9sSy3wINY14Wh_19AGR2gceflhRdPqGEfP7PbJ46l-xVwYzOFmnaXx59gAm1T1UJbu-R5WEd_d2AX7zFZe4QXr274yl_42d0757b9a5f1d1294c50027638a40baSobre Chernobyl
Desde 1995 DJ Chernobyl teve um efeito profundo sobre a direção musical do Brasil. Ele é um pioneiro e um influente e é responsável por trazer Baile Funk (booty brazilian beat) ao mundo do rock através de sua banda “Comunidade Nin-Jitsu”, influenciando Edu K para produzir o seu mundialmente famoso hit “Popozuda”. Tendo produzido 5 registros com “Comunidade Nin-Jitsu”, mais de 500gigs e eles eram o apoio da banda Red Hot Chili Peppers no Brasil (2002). Chernobyl descoberto e assinou Bonde de Papel e produziu seu álbum, introduziu-lhes Diplo (que eles libertada em seu rótulo Mad Decent) e produziu 08 das 12 faixas de seu álbum ( “With Lasers”), com base Domino Records. DJ Chernobyl é um produtor / DJ com uma reputação global, depois de ter lançado “Spunk Scat e Política” (sobre a KSR, mesmo rótulo como Deep Dish, Chromeo, Armand Van Helden, CSS …), 2 “Bailectro” compilações (no Chateau Disc) no Japão. Em 2007, ele foi o único artista brasileiro que jogou no Fuji Rock Festival, no mesmo estádio como Justiça, simiano Mobile, Groove Armada, A-Track, etc Depois da turnê japonesa, ele realizado na Suécia com Thunder Heist, DJ NIBC e Johan de Radioclit. Em 2006, ele executou a Transmusicales (França), com Edu K e DJ Missill. No Brasil ele produziu faixas para o álbum “Pancadão do Caldeirão do Huck”, que estava no Top 5 dos melhores vendedores e ele lançou a sua própria compilação chamada “Neo Funk” (Som Livre), que incluiu a nova geração de baile-funk artistas que ele tinha trabalhado em remixes e produções (Bonde do Papel, Edu K, Turbo Trio, Deise Tigrona, etc.) Em 2008, realizada em Moscovo Chernobil (Denis Simachev Bar), Kiev com Zhiguli (Xlib Club) e Berlim com Shir Khan, MC Bunny Rabbit (NY), DJ Supermarkt e Jack no Scala Tênis Clube. 2009 começou com um passeio de Porto (Portugal), de Munique e Viena. Recentemente Chernobyl assinou remixes para N.A.S.A. ( “Whatchadoin”, com MIA e palmadas Rock), MIXHELL e Tigarah, de Tóquio para a Universal Music. Este DJ subverte qualquer estilo de música que ele desempenha, desde 

electro, miami bass, 80s, brasileira velha escola baile funk, Baltimore Club, ou Rock n Roll, flexão tudo ao seu estilo NEO BAILE FUNK.

 DISCOGRAFIA: – Bonde do Papel, Tabaco EP (Mad Decent, E.U.)

 – Bonde do Papel, With Lasers (Domino Records, UK)

– Bonde do Papel, Office Boy EP (Domino Records, UK)

– Bonde do Papel, solta o Frango PE (Domino Records, UK)

 – Spunk Scat e Politics – incluindo CSS (KSR registros, Japão)

 – Bailectro 01 e Bailectro 02 (Chateaudisc, Japão)

 – Edu K, Gatas PE (Man Recordings, Alemanha)

 – RQM, Misspacman (explorada registros, Alemão)

 – O Toque, Le Night Dominator (Trunkfunk, Suécia) – DJ Chernobyl apresenta: Neo Funk (Som Livre, Brasil)

– Pancadão do Caldeirão do Huck (Som Livre, Brasil)

 – COMUNIDADE NIN-Jitsu, Atividade na Laje (2008)

 UM CASAL SIMPLESMENTE FORA DO SERIO,CAROL E FREDI, SEMPRE JUNTOS…COLOCANDO TODA A GALERA PRA CIMA; COM UM AUTO-ASTRAL MARAVILHOSO…

SEMPRE COM MUITO ESTILO, OS DOIS FAZEM CHALAÇA POR ONDE PASSAM !

;~~

 

 

 

 OgAAAL9sQ5PNAbGmiDryxaVSFBYhX2Fytm1NAuux9y9lEeS0SAGPIr_-ohR2RYCI65a7OvTbuGkJa6FCARuRVX2rpNcAm1T1UI6c1VytNr8RftqMwqHCawlgdU_e

OgAAALUvVFHhIA7Z8YK9D8hLfkbsPaGrDhL-d5vvSEazG-VmhM7mX2A4M2KE-zaGZhBekAHN3ON8NLNCTmfmTnfIyCwAm1T1UJ54Ih1zwdSw6--rpnKmaNdWtZda

😀 adoro demais !

 

 

Links: 

http://www.myspace.com/djchernobyl

http://www.beco203.com.br/views/revista.php

http://www.carolteixeira.com.br/

www.cnj.com.br

DJ CHERNOBYL b-funk set 2009:
http://www.zshare.net/audio/52086624e40e634a/

:D adoro demais !não é a toa que estou á 9 anos na vida de ninjaaa uhehhhhhh Fredi! :D

Música Eletrônica !

•05/04/2009 • 6 Comentários

img_7068

Dj Juliana Druzian tem seu estilo próprio, sempre com atitude e beleza!

 

Nascida na cidade de Santa Maria no Rio Grande do Sul, desde criança Juliana acompanhava seu pai (empresário do ramo de sonorizações) da montagem até a sonorização dos eventos.

Aos 14 anos tocou sua primeira festa sozinha, fazendo então parte da equipe Druzian Sonorizações. Por muito tempo sonorizou todos os tipos de eventos, sempre com muita dedicação e profissionalismo. Tendo como paixão a musica eletrônica, em casa assistia vídeos de Djs tocando em boates nos anos 90 e tinha certeza de que queria seguir o mesmo caminho, comandar a pista de dança e fazer com que todos dançassem!

Em 2005 ganhou seus próprios equipamentos e iniciou sua carreira profissional, logo surgiu o convite para se apresentar pela primeira vez profissionalmente em uma casa noturna de sua cidade. Com seu estilo baseado na House Music, Juliana conquistou seu espaço devido seu carisma e profunda técnica para a discotecagem, além de ser a primeira mulher da região a tomar à carreira de Djane em um a época em que ainda o mercado era totalmente masculino. Juliana sofreu por preconceitos no início, mas ainda persistiu em seu sonho.

Passou pro algumas vertentes do hause e electro  fez alguns eventos de musica eletrônica na cidade onde conquistou o seu público que a acompanha em diversas festas por onde passa.

,. Com o passar dos anos começou a tocar em diversos eventos de destaque no estado e casas noturnas onde ganhou reconhecimento devido ao seu trabalho.

Com apenas três anos de estrada, Juliana fica entre as Djanes mais requisitadas do RS, com uma linha de som groovada e dançante com base no progressive e tech-house. Destaca-se por ter seu jeito delicado e ousado, onde seu estilo faz o diferencial na pista.

Já tocou em cidades como:Cachoeira do Sul-RS,Cruz Alta-RS,Erechim-RS,Passo Fundo-RS,Santa Rosa-RS,Concórdia-SC,Bandeirantes-PR,Artigas-UR.

Casas como: Absinto Hall(Santa Maria-RS),Five(Santa Maria-RS),Case Up(Santa Maria-RS),Societa Café(Ijuí-RS),Spirit(Santa Cruz-RS),Hyppe(Carazinho-RS),Club Beer(Xanxere-SC),Mr Jack(Balneário Camboriú-SC),Santidade(Itajaí-SC),Colliseum Pub(Maravilha-SC),Farol(São Miguel do Oeste-SC),

Eventos:-Over Glam(Pelotas-RS),Elektrosonic(La Gitana/Bagé-RS)Pulse(Xaxim-SC),Star House(Zimmer/Presidente Prudente-SP),Red Hot Tour(Zapata/Petrópolis-RJ).

 

 

– Segundo Juliana Druzian não tem estilo inspirado em ninguem, tem seu proprio estilo, usa o que gosta, o que sente vontade!

Ela define seu estilo de vida dependendo de sua inpiração e do dia que esta vivendo.

 

dscf4932

 

 

dsc_2540a

 

 

..:: SOLD OUT MANAGEMENT ::..

:::CONTATOS:::

www.soldout.com.br

Diego Moita
diegomoita@soldout.com.br
(51) 8408 3151

 

atgaaab-g9p3hogbiusyt_v-sz_-urqmn4is-yk7xg9-i7tsitschnnqo6rnhdx19qjpktmlbz5odjh1ih-opo6pfcrmajtu9vdovws6ay33l8pdznzg9darysryea

Moda

•27/03/2009 • 9 Comentários

A moda não é uma coisa que existe apenas nas ruas : a moda é algo que esta no ar. É o vento que sopra a nova moda, nós a sentimos chegar…
sentimos seu cheiro
A moda esta no céu nas ruas ela tem a ver com as idéias com o modo de vida com o que está aconteçendo…
( Coco Chanel)

Ligação da MODA com a MÚSICA!!

•22/03/2009 • 17 Comentários

:)

🙂

 

 

 

 

 

 

 

Todo mundo sabe que Moda e Música caminham juntas. Levante a mão quem nunca teve uma camiseta de banda de rock no seu guarda-roupa??!!! Suas sintonias são perfeitas. Não tem como não pensar em moda sem música e, vice-versa. “Então venho aqui na missão que resultara na criação de um blog, que unira estilos musicais com estilos de vestir, e seu estilo baseado em sua historia de vida”.

 

Estou falando deste ícone atual para mostrar á vocês que alem de Amy fazer música no estilo

soul, black, funk, , ela usa roupas que a diferenciam deste estilo. E assim, ela se torna: única – ícone.

E o principal, o que caracteriza a Amy e a deixa com personalidade é a extravagância, e isso se pode perceber não apenas em suas roupas e estilo de vestir, mas em sua vida.

Hoje não afirmo ser real esta vida de drogas em que ela esteja. Para mim tem um grande lance de marketing nisso tudo e bla bla bla. Pois como percebi, ela lançou álbum em 2006 e apenas em 2008 ate hj é que está tendo uma hiper reprodução na mídia.

Massss….vou parar por aqui, pois este blog é para falar de MODA na MÚSICA

 

É isso ai  galera espero que gostem dos meus pos’ts !

Abraços a todos

 

CeGomes